18/11/2021 às 10h02min - Atualizada em 18/11/2021 às 10h02min

Bispos denunciam desvio bilionário da Igreja Universal

Os bispos e pastores da Igreja na Angola afirmam que por ano eram levados em média US$ 120 milhões, ilegalmente. O translado do dinheiro eram feitos por carro, de acordo com os líderes religiosos. O dinheiro eram escondidos no forro do carro, em malas e até mesmo nos pneus dos carros.

O Antagonista
Foto: Reprodução/ Jornalistas Livres

A Igreja Universal do Reino de Deus, de Edir Macedo, retirou de Angola ilegalmente US$ 120 milhões por ano, segundo denúncias de bispos angolanos às autoridades do país. O dinheiro era levado para a África do Sul, para onde Jair Bolsonaro queria enviar Marcelo Crivella como embaixador. O próprio Edir teria usado seu jatinho para transporte.

Segundo o UOL, o pastor e ex-diretor da TV Record África Fernando Henriques Teixeira foi apontado como o responsável por essa tarefa. A operação teria se repetido nos últimos 11 anos, somando US$ 1,32 bilhão, ou R$ 7,32 bilhão na cotação de hoje.

A denúncia foi feita à polícia angolana por bispos e pastores locais que se rebelaram contra a direção brasileira da Igreja Universal do Reino de Deus, no final de 2019. Eles confirmaram suas alegações ao site.

“A imagem para representar o que acontecia em Angola era a de um saco sem fundo: tudo o que entrava saía”, diz o ex-pastor angolano Armando Tavares.

A maior parte do dinheiro ilegal seguia de carro para Johannesburgo, na África do Sul, via estradas da Namíbia, de acordo com os denunciantes. Os dólares estariam escondidos em malas, no forro dos veículos e até em pneus.

“Dali, o dinheiro seria levado a Portugal, muitas vezes pelo próprio bispo Edir Macedo, em seu jato particular, segundo as denúncias encaminhadas à polícia angolana. Macedo costumava viajar de Portugal à África do Sul, sempre após a realização da campanha da ‘Fogueira Santa’, momento em que as arrecadações de oferta na Universal atingem o seu ápice. Altas somas em dinheiro da igreja também seriam repassadas para a Record África, sediada em Luanda, e dali para a Europa ou o Brasil.”

Teixeira virou réu em maio na Justiça angolana por lavagem de dinheiro e associação criminosa, assim como Honorilton Gonçalves, ex-VP Record no Brasil e até o ano passado líder da Universal em Angola, e os bispos Valdir de Sousa dos Santos e Antônio Pedro Correia da Silva, ex-representante legal da igreja e da Record no país africano.

O julgamento do caso Igreja Universal do Reino de Deus está previsto para começar hoje em Luanda, mas os advogados ainda tentam adiar o começo do julgamento.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://intopo.com.br/.
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp